Urupema aguarda o papagaio-charão

 

Papagaio-charão, com seu petisco predileto, o pinhão

Papagaio-charão, com seu petisco predileto, o pinhão – foto de Ari Fernando Raddatz

As estrelas do festival chegarão em breve em Urupema

Urupema, um dos municípios na região serrana de Santa Catarina, integrante dos Caminhos da Neve, receberá, entre os dias 21 a 24 de abril, observadores, fotógrafos e pesquisadores de aves de todo o Brasil e exterior. Todos irão para ver de perto um dos eventos mais extraordinários da natureza: a revoada do papagaio-charão, ave que sai do Rio Grande de Sul e ruma para aquele ponto em busca de alimento, os pinhões produzidos pelas araucárias. Para essa observação, quando bandos de até dois a quatro mil papagaios charão chegam, aquela comunidade promove o 5º Festival do papagaio-charão e o 3º papagaio-de-peito-roxo.

Bando de papagaio-charão foto de Guilherme Raddatz

Bando de papagaio-charão foto de Guilherme Raddatz

Os eventos são uma iniciativa de empresários do setor de turismo voltados à preservação de aves, de pesquisadores e observadores de aves, e conta com apoio da Prefeitura de Urupema. Os proprietários da EcoPousada Rio dos Touros, estabelecimento que desenvolve a cultura da proteção ambiental, foram os principais incentivadores e pioneiros em propor e dispor um espaço para a observação de aves. O casal Ari Fernando e Rose, junto com o pequeno Guilherme, recebe visitas sempre importantes: vão desde estudiosos ambientais, fotógrafos e observadores de aves e famílias que curtem o ambiente natural. As visitas mais importantes, no entanto, são os sujeitos do estudo e observação que são aves, graxains, jaguatiricas, veados, cutias, mão-pelada e tantos outros. Da varanda da pousada, o hóspede já tem um festival à parte.

Ecopousada Rio dos Touros em Urupema

Ecopousada Rio dos Touros em Urupema

O entusiasmo do casal com os Festivais deste ano de 2016 é muito grande. Desde que iniciaram a atividade, planejando e abrindo a EcoPousada, Ari Fernando e Rose já puderam avaliar a importância do trabalho que desenvolvem. O fato de pesquisadores e autoridades na área de ornitologia buscar, cada vez mais, informações com eles, lhes dá a certeza de estarem no caminho certo. “Temos como meta ajudar a formar uma nova consciência sobre a importância da preservação, a partir do respeito com a flora local. A floresta de araucária é importante demais para a fauna e para garantir o ecossistema da região”, sustenta Fernando. Na condição de apoiadores e fundadores do Festival do Papagaio-Charão, que agora já foi ampliado também ao Papagaio-de-peito-roxo, o casal acompanha com expectativa positiva os trabalhos desenvolvidos para a preservação das duas espécies de papagaios, visto que em algumas regiões no Sul do Brasil – e em países vizinhos, como Argentina e Paraguai – essas aves simplesmente foram dizimadas seja pela captura e venda, o que é crime, ou pelo desmatamento. Em Passo Fundo, com apoio do Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), o Projeto Charão (AMA/UPF), realiza atividades em busca da conservação da vida silvestre. Já o papagaio-de-peito-roxo, espécie endêmica da Mata Atlântica, tem seu centro de estudos no Parque Nacional das Araucárias, no Oeste de SC, com pesquisas realizadas também no Paraná.

Programação do Festival

FESTIVAL DO PAPAGAIO-CHARÃO E DO PAPAGAIO-DE-PEITO-ROXO
de 21 a 24 de abril de 2016

Palestrante Confirmada: Ligia Jahn
Palestra: Somos todos responsáveis

V Festival do Papagaio Charão em Urupema - SC

V Festival do Papagaio Charão em Urupema – SC

Bando de papagaio-charão em Urupema

Bando de papagaio-charão em Urupema

A realização dos Festivais em homenagem aos papagaios é uma forma, também, de mostrar aquela região belíssima aos visitantes. O Caminho das Neves abrange a serra catarinense aos Campos de Cima da Serra, no Rio Grande do Sul. Nessa região, muitas paisagens são comuns como os montes elevados, grandes grotas e grutas, além das taipas (cercas de pedra) que separam campos, muitas dessas protegendo taperas, em meio às plantações de maças com métodos modernos, permite ao visitante pensar no passado, desfrutar da paisagem, curtir o presente e visualizar o futuro. O presente é uma região bem dotada de hotéis, pousadas, hotéis fazendas, boa rede de restaurante, rios com águas gélidas que permitem a criação de trutas e de cascatas próprias para banhos. Desde que a pessoa não seja muito friorenta!  Afinal, no inverno, muitas dessas cascatas e pequenos riachos congelam.  Mas nos dias quentes, um banho nas muitas cachoeiras e corredeiras é uma aventura, sempre refrescante. Tem muito que ver na região. Eis algumas dicas:

Ver as trutas nadando

No centro de Urupema, placas sinalizam as trutas

No centro de Urupema, placas sinalizam as trutas

No Rio Caronas, no centro da cidade, é fácil encontrá-las

No Rio Caronas, no centro da cidade, é fácil encontrá-las

No pequeno, mas muito bonito centro da cidade de Urupema, as Trutas podem ser vistas nadando no rio Caronas. O rio é mais um que nasce nas muitas montanhas na região.  No Gaios Parque das Trutas, seis quilômetros do centro por um caminho de chão batido, a Estrada do Rincão, mas com vistas belíssimas, é possível pescar a sua truta. Com infraestrutura para receber o turista, um criatório, um pesque pague, restaurante especializado em truta, a pousada é atendida pelo casal. O espaço é especial para piquenique e o restaurante vem-se destacando por atender encontros de famílias que desejam ter um dia sem interferências de terceiros.

Cachoeira que congela

Cachoeira no verão

Cachoeira no verão

Acesso à Cachoeira que congela

Acesso à Cachoeira que congela

Localizada logo abaixo do Morro das Antenas ou das Torres, em Urupema, essa cascata é fruto das muitas nascentes que se formam no morro das antenas, uma área de gramado e poças d’água em vários pontos. As águas deste Morro escolhem o lado por onde irão descer, buscando espaços entre as fendas, pedras e campos. Muitas corredeiras acabaram formando a Cachoeira que, nos dias mais frios de inverno, costuma ficar completamente congelada, transformando-se num fenômeno espetacular e único no Brasil. Existem dois pontos para se visualizar a cachoeira, um desses por uma escadaria e o outro junto à estrada de chão batido. O pico do morro das Antenas atinge altitude de 1.750 m, e seria o segundo ponto mais alto do Estado de SC. Fizemos a última visita no verão, portanto só pegamos o frio lá de cima, sem neve.

Chegada na Cascata que congela

Chegada na Cascata que congela

Placa da cachoeira congelada

Placa da cachoeira congelada

Fazenda do Barreiro

Antiga propriedade rural que vem passando de pai para filho desde 1782, a Fazenda do Barreiro (João de Barro) está localizada na Rodovia SC 438, km 43.  A exemplo do município de Lages, onde algumas fazendas tradicionais de criação de gado e cavalos começaram a receber turistas, tanto que Lages é considerada a Capital Brasileira do Turismo Rural, a Barreiro é pioneira na região. A pousada começou na década de 80 e os atrativos, antes mais voltados para as lides campeiras, culminaram com o fomento à área cultural, com apresentações folclóricas, aliadas as caminhadas, pescaria em açudes e descida de rio em botes. Na cozinha, prevalecem os pratos de comida campeira, como arroz-de-carreteiro e feijão-tropeiro preparados no fogão à lenha.

Parque Nacional de São Joaquim

Parque Nacional de São Joaquim

Urubici e Morro da Igreja

Principal local de destaque é o Morro da Igreja, em Urubici, com 1 822 metros de altitude. A Pedra Furada, que certamente deu o nome ao morro da Igreja, pois parece um templo religioso, é uma das peças da belíssima paisagem. Ainda em Urubici, vale a pena ver nas furnas, as inscrições rupestres dos tempos das cavernas, na Serra do Corvo Branco.

Pedra Furada em Urubici

Pedra Furada em Urubici

Cascata do Avencal

São muitas as paisagens e pontos que merecem ser visitados em Urubici, o ponto mais alto de SC. São inúmeras cascatas e picos de montanhas que atraem alpinistas e amadores. Um dos pontos muito visitado pela beleza é a Cascata do Avencal, onde a água despenca em queda-livre a mais de 100 metros de altura.

MAIS INFORMAÇÕES

Urupema está a 198 km de Florianópolis e a 50 km de Lages pela BR- 282

http://riodostouros.com.br

http://www.urubici.sc.gov.br/

http://juremajosefa.com.br/blog/2016/02/22/caminho-neves/

admin

Jornalista profissional, trabalhou nos principais jornais de Porto Alegre e Rio Grande do Sul. Prestou assessoria às entidades ABAV, Sindetur, Sindicato de Hotéis no RS e à Confederação das Organizações de Turismo da América Latina (Cotal). Atualmente atua com assessoria de imprensa na Assembleia Legislativa.

Você pode gostar...