A luta pela preservação das tartarugas marinhas

Tartarugas marinhas

Na virada do dia 30 para 31 de janeiro deste 2019 ocorreu o nascimento de um dos ninhos de tartaruga monitorados pelo Projeto Tamar, na Bahia. Foi na praia do Porto de Sauipe, localizada no condomínio Águas do Sauipe, no município de Entre Rios, Bahia, bem na frente da pousada do Romano, onde estávamos hospedados. Naquela noite fizemos alguma vigília, pois Luciano, um do técnico-monitores do Tamar estivera vistoriando os ninhos na frente da pousada. Concluiu que no ninho 106, deveria ocorrer a desova em, no máximo, 24h. Não resistimos a ronda e dormimos. Pela manhã, acordamos e fomos imediatamente para a beira da praia. Desta feita os ninhos eram monitorados pelo José. Ele ajudava a retirar da “toca” as pequeninas que não conseguiram vencer a barreira de areia sozinhas. As demais eclodiram enquanto dormíamos. Sobraram nove e outros 17 ovos goraram e eram da espécie Tartaruga-de-Couro ou Dermochelys coriacea.

Técnico do TAMAR confere os registros dos ninhos.

Junto com Luci, uma italiana que estava hospedada no mesmo local (e que queria filmar para mostrar ao neto na volta da viagem), saímos às pressas para acompanhar essa dura caminhada das nove pequerruchas que se atrasaram. José mediu algumas delas, examinou-as, fotografou-as e as entregou bem próximo das ondas.  Sete dessas foram vencendo barreiras, sempre umas próximas das outras, já com sol alto às 7h30min da manhã. Foram alguns minutos de muita emoção e alegria, afinal já tínhamos informações de como o nascimento dessas criaturinhas é complicado. A partir de visitas a sede do Projeto Tamar, na Praia do Forte – distante cerca de 80 quilômetros de Salvador pela Estrada do Coco, a BA- 099 – sabíamos da importância de proteger e apoiar as tartarugas, já que a cada mil novas tartaruguinhas, apenas uma ou duas sobrevivem.

Ovos de Tartarugas
Ovos de Tartarugas

 Neste ano, o Tamar monitora 2.000 pontos de desovas, o que significa o seguinte: que foram avistadas as matrizes em suas desovas e os ninhos receberam uma estaca com um número que serve para o técnico/monitor fazer as visitas e ver se está tudo bem. Próximo dos dias da desova, ele vasculha para ver se está tudo em ordem, ficando em alerta.

Tartarugas prestes a nascer no ninho
Revisão do ninho

A temporada de desova de tartarugas marinhas no Brasil começou em setembro, com a chegada ao litoral brasileiro das fêmeas tartarugas Cabeçuda e Oliva e, em seguida, das tartarugas de Couro, e se estenderá até março ou começo de abril. Nas ilhas, a desova e nascimentos prosseguem. A tartaruga Pente e a Verde chegam mais tarde, entre dezembro e janeiro. A postura dos ovos de todas essas cinco espécies que nascem no Brasil ocorrem nas praias dos estados da Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte, Espírito Santo e Rio de Janeiro e, a partir de janeiro, em Fernando de Noronha.

Praia onde acompanhamos o nascimento das tartarugas
Praia onde acompanhamos o nascimento das tartarugas

Pescadores de toda a costa ajudam nos cuidados, bem como hotéis, a exemplo do Bahia Plaza Hotel, em Camaçari, onde além de manter dentro da estrutura uma colônia de pescadores, a rede hoteleira tem especial atenção aos ninhos de tartarugas no local. A Pousada do Romano, que está na Costa do Sauipe, também apoia, orientando banhistas para que não fiquem próximos dos ninhos. Conforme dados do coordenador nacional do Projeto Tamar, oceanógrafo Guy Marcovaldi, além de monitoramento por oceanógrafos, existem mais de 500 pescadores-tartarugueiros nos cinco estados, além de veterinários e voluntários. “Temos um exército de pessoas nas praias trabalhando para que as tartarugas tenham sucesso não só em termos de segurança, mas de pesquisa científica”. Graças ao trabalho desenvolvido pelo Tamar, que desde 2010 promove o programa Biólogo por Um Dia, voltado para as crianças, que consiste numa imersão no mundo das tartarugas a partir do acompanhamento de uma equipe do Tamar, as matanças de matrizes e roubo dos ninhos reduziu muito.  Sendo biólogos por um dia, os pequenos seguem os passos diários da equipe no centro de visitação e educação ambiental e na veterinária, realizando atividades como: os cuidados com a tartaruga, o preparo e a alimentação dos animais, e conhecendo o porquê de todo esse trabalho. Uma visita noturna mostra hábitos dos animais e traz informações e curiosidade sob a luz da lua para quem se interessa em desvendar aspectos pouco conhecidos sobre a biologia e a conservação marinha. É o Turtle by Night, um momento interessante para saber mais sobre a aventura para a conservação das tartarugas marinhas, que acontece à noite ou de madrugada nas praias e no mar. Tem, ainda, a comemoração do aniversário no Tamar. Como as experiências são de um dia, turistas de todos os recantos do mundo, em visita à Praia do Forte, podem participar.

Entrada do Projeto TAMAR
Entrada do Projeto TAMAR

A Praia do Forte pratica a preservação ambiental

Localizado na beira mar, nos fundos da igreja dos Navegantes, nesta magnífica praia do Forte, a sede do projeto Tamar é uma das atrações científica, cultural e de lazer. A praia do Forte sedia, ainda, o projeto Baleia Jubarte – esse bem na entrada da praia, outro ponto exclusivo para informações sobre esses cetáceos. Visitas imperdíveis.

Praia do Forte
Praia do Forte

Como se não bastasse a beleza do mar e suas praias diversificadas, suas marés bem definidas que propiciam o surgimento de piscinas naturais para o banho sem riscos e passeios sobre o leito seco do mar (durante a maré baixa), a Praia do Forte abriga a Lagoa Timeantube, onde a prática de canoagem é uma opção de lazer muito aprazível. 

Esculturas no Projeto TAMAR
Esculturas no Projeto TAMAR

A Praia do Forte conta com toda a infraestrutura necessário aos visitantes. Muitas pousadas, bares, restaurantes e centro de venda de artesanato, o que a torna um destino preferido de visitantes de todo o mundo. Uma das regras estipuladas pela administração foi a de impedir os veículos de adentrarem nas ruelas do núcleo urbano, de forma que as ruas todas são para pedestres. O local é um dos destinos de ecoturismo no litoral norte baiano, distante 80 quilômetros de Salvador pela boa estrada do Coco.

Esse balneário com tanta beleza integra o município de Mata de São João, onde existem muitas áreas protegidas, como a Reserva de Sapiranga, distante dois quilômetros do mar, com seus 600 hectares de Mata Atlântica. É uma espécie de santuário ecológico, lar de diversas espécies animais e vegetais. Outras atrações são o Castelo de Garcia d’Ávila, Torre de Garcia d’Ávila, Forte de Garcia d’Ávila ou Casa da Torre. Como se vê, Garcia d`Ávila foi o dono de toda essa área, filho de Tomé de Souza (primeiro governador geral do Brasil, em 1549). Conforme a história, suas terras iam desde a Praia do Forte, onde ele habitava, até o Maranhão, o maior latifúndio das Américas, ou 800 mil quilômetros quadrados. A visita ao Castelo é imprescindível, pois oferece uma noção muito clara de como viviam os donatários no início da colonização.

Tartarugas sendo protegidas pelo TAMAR

Você pode gostar...