Trem leva passageiros em estrada do século XIX na serra paranaense

Morretes

Trem em deslocamento pela serra

Um dos passeios mais emocionantes, inesquecíveis e surpreendente que fizemos – Gilberto Sander Müller e eu, Jurema Josefa – foi de trem na Estrada de Ferro Curitiba Morretes. Emocionante por que naquela rota a pessoa fica dentro das montanhas da verdadeira realidade do que é a serra geral, flora, fauna da Mata Atlântica. Inesquecível porque além de tudo, o dia estava perfeito, sem nuvens, neblina, nem quente ou frio demais. Era começo da primavera, época que recomendo aos interessados em conhecer o local. Para tanto basta passar uns dias na linda e cheia de atrativos Curitiba, a capital do Paraná, e dali descer até aqueles confins numa estrada com seus 13 túneis distribuídos por 110 quilômetros. Surpreendente, porque a Estrada é uma obra de engenharia que desafiou o tempo. Construída por decisão do imperador dom Pedro II e inaugurada em 1885, é, nos dias atuais, uma das mais antigas estradas de ferro em funcionamento no país. Por conta da beleza da sua rota, em meio à Serra do Mar, onde a diversidade da flora e da fauna da Mata Atlântica é um atrativo à parte, picos surpreendem pela altitude, forma e beleza, como se tivessem sido esculpidos por encomenda. A viagem completa é Curitiba – Paranaguá, mas somente aos domingos o trem de turismo percorre a rota inteira, passando por Morretes, seguindo até Antonina e depois Paranaguá, todas cidades históricas com muitos atrativos. Mas sempre é bom organizar a viagem, pois em algumas temporadas a viagem é só até Morretes, mesmo em domingos. Nos dias de semana, a pedida é Morretes, o que fizemos. Quem deseja ir até o final, utiliza jipes, vans, motos e até bicicletas.

Nhundiaquara

Antigo hotel à beira do rio Nhundiaquara

Desde a saída, na Estação Ferroviária, localizada atrás da Estação Rodoviária de Curitiba, até Morretes, são muitos as atrações: são centenas de obras de arte de engenharia, entre as quais 13 túneis ativos e um desativado, 30 pontes e inúmeros viadutos de grande vão. Destacam-se a Ponte São João, com 55 metros de altura, e o Viaduto do Carvalho, que liga os túneis 4 e 5, assentado sobre cinco pilares de alvenaria na encosta da rocha – a passagem por esse trecho provoca a sensação de uma viagem pelo ar, como se o trem estivesse flutuando. Tem, ainda, o Túnel de Roça Nova, com seus 457 metros de extensão e numa altitude de 955 metros do nível do mar.

Curitiba

Túnel antigo desativado

Duas represas e muita mata, com prevalência de araucárias, cipós, flores e cheiros. O viajante tem o prazer de ver a inesquecível Garganta do Diabo, que extasia e amedronta, e o lindo Véu de Noiva, uma queda d”água de beleza indescritível. Não há tédio.      No meio da serra depois de 02h20min o trem para rapidamente na estação do Parque Estadual do Marumbi, onde é possível descer e conhecer a reserva.

Ponte metálica sobre o rio Nhundiaquara Morretes

Ponte metálica sobre o rio Nhundiaquara

O trem de turismo, administrado pela Serra Verdes Mares Express, que adquiriu o direito de concessão em 1997, junto com a América Latina Logística, divide a mesma linha com os trens de carga. Os vagões tem categorias distintas. A categoria de turismo é a preferida. Mais informações pelo telefone (41) 3888-3488 ou via e-mail: [email protected]

DESCRITIVO DOS VAGÕES E PASSEIOS:  www.serraverdeexpress.com.br
 
Vagão Turístico

Vagão de classe intermediária, poltrona almofadada. Serviço de bordo com 01 água ou 01 refrigerante, kit lanche

 e Guia português.


Vagão Executivo

Vagão especial com poltrona almofadada. Serviço de bordo com água, refrigerante e cerveja a vontade e kit lanche
e Guia bilingue.

Camarote
6 cabines exclusivas com 8 lugares (cabine com 08 poltronas e uma mesa) cada e 1 cabine exclusiva com 4 lugares ( cabine com 04 poltronas de costas e sem mesa).  Janelas Panorâmicas. Serviço de bordo com água, refrigerante e cerveja, kit lanche e guia bilíngue. Independente do número de pessoas, o valor da cabine é único.

Litorina

Veículo com motorização própria, janelas panorâmicas e ar refrigerado.
Durante o percurso é feita uma parada de 10 minutos no mirante do Santuário do Cadeado, de onde os passageiros poderão descer e vislumbrar a maravilhosa baía de Paranaguá e o complexo Marumbi. Vagão com guia bilingue. Serviço de bordo com água, refrigerante, cerveja e Kit lanche.

Litorina de Luxo

Veículo com motorização própria, janelas panorâmicas, ar refrigerado e som ambiente, acomodação em poltronas de couro e sofás de veludo. Bar no interior do vagão.
Durante o percurso é feita uma parada de 10 minutos no mirante do Santuário do Cadeado, de onde os passageiros poderão descer e vislumbrar a maravilhosa baía de Paranaguá e o complexo Marumbi. Serviço de bordo com champagne, água, refrigerante, cerveja e catering.

 

 

Pico do Marumbi na Serra do Mar

Pico do Marumbi na Serra do Mar

A permanência do visitante em Morretes dá o tempo necessário para se conhecer a cidadezinha muito simpática, uma das mais antigas do Paraná, nascida da busca de aventura pelos portugueses que, chegados às baías de Paranaguá e de Antonina, foram subindo, até se estabelecer no pé da Serra do Mar. A transformação da vila em cidade viria em 1733. A cidade, com cerca de 14 mil habitantes, tem natureza e história por todos os lados. Muitos casarões, como a Casa Rocha Pombo, lembrando a história desse escritor que ali nasceu e ficou conhecido em todo o mundo; as igrejas de Nossa Senhora do Porto, de 1769, a de São Benedito, de 1863, e a de São Sebastião da Praia de Cima, de 1850, e, em especial, o casario que corre ao lado do rio Nhundiaquara. Ali estão o hotel e o restaurante do mesmo nome, há mais de 60 anos, mais um dos tantos que têm na sua culinária o tradicional barreado, o prato de sustentação da região. É uma iguaria feita com carne de segunda supercozida em panela de barro lacrada com farinhas de trigo e mandioca. Este cardápio atrai centenas de visitantes que chegam de trem ou pela Estrada da Graciosa, também de extraordinária beleza entre a Mata Atlântica. Os amantes da natureza e que não se contentam com a contemplação, vão precisar de pelo menos um final de semana para curtir trilhas, esportes radicais como montanhismo e, sobretudo, a rota do rio Nhundiaquara. As aventuras em meio à mata ocorrem na área do Parque Estadual do Marumbi. Trilhas levam ao Olimpo (1.539 metros de altura); Abrolhos (1.200); Ponta do Tigre (1.400). Informações: (41) 3462-1024/

Antiga estação de Marumbi

Antiga estação de Marumbi

Site: www.morretes.pr.gov.br.

admin

Jornalista profissional, trabalhou nos principais jornais de Porto Alegre e Rio Grande do Sul. Prestou assessoria às entidades ABAV, Sindetur, Sindicato de Hotéis no RS e à Confederação das Organizações de Turismo da América Latina (Cotal). Atualmente atua com assessoria de imprensa na Assembleia Legislativa.