Gramado é vitrine para produtos com riquezas únicas

            Você conhece a procedência dos produtos de põe na sua mesa para sua família? E de onde vem os vinhos e demais bebidas servidas em sua casa, no teu restaurante preferido da tua cidade? A provocação foi feita por Maria Elvira Viedma, relações públicas do Serviço de Turismo da Espanha, em sua palestra no Connection Terroirs do Brasil, nesta quinta-feira (18/05) no Palácio dos Festivais, em Gramado. A executiva participa da 6ª edição do Connection – evento que abriu na noite do dia 17/05 e prossegue com atividades de degustação e demonstrações até domingo, 21 e com palestras até sexta-feira, 18 – e levou as experiências da Espanha, país cuja área é igual ao Estado de Minas Gerais, onde existem 15 cidades tombadas como patrimônio Cultural e cerca de 20 por cento dos turistas,  em torno de 85 milhões de visitantes/ano, buscam destinos gastronômicos. Ou seja: querem viver experiências gastronômicas, beber os vinhos de cada região, além de curtirem a cultura local.

Painel contou com especialistas, produtores e indutores

            Em sua fala, a palestrante lembrou que a escolha de locais devido a sua gastronomia, seus vinhos (no caos da Espanha 25 destinos, oito desses tidos como internacionais, é um processo de educação que vem da infância. “Na minha casa nosso pai dizia para comermos tal produto pois era especial, vindo de tal lugar. Nós espanhóis até o ano 2000 não tínhamos uma única vinícola que recebesse turistas. Nós achávamos e achamos que nossos vinhos são os melhores, mas não mostrávamos isso. Vocês acreditam nisso?”. O problema foi, segundo Maria Elvira, sanado, e na atualidade a Espanha disputa lado a lado com outros países vizinhos, como França, Itália e Portugal. “Temos produto, temos serviços e gostamos de receber. Além disso, nossas cidades históricas complementam o cenário”, enfatizou

Gramado foi buscar receita em Bariloche

            Coube ao diretor da Prawer, vice-presidente da Associação dos Chocolateiros de Gramado (Achoco), Maurício Brock, contar a história de como Gramado se tornou um destino com gosto de chocolate. Diz que o dono da Prawer era um turista que amava Gramado e que um dia fez uma viagem de turismo em Bariloche, na Argentina. “Seu Jaime voltou entusiasmado e na sequência criou a empresa, comprava cacau da Bahia e de outros lugares, fazendo barrinhas, o que era comum na época. Mas sempre com receitas caseiras”. Essa indústria de chocolates artesanal ganhou força, hoje tem selo de procedência, é produto natural, e conta com empresas que empregam cerca de 6 mil pessoas. “Hoje somos a Capital brasileira do chocolate empresarial. Somos muito gratos não só por criar chocolates que todos querem, mas por criar empregos. Somos o setor que responde por algo em torno de 20% dos empregos na nossa Gramado”, disse o empresário. E enfatizou “Estamos crescendo com qualidade depois da pandemia que prejudicou todos os setores. Tivemos que jogar chocolate fora, era necessário para garantir a qualidade ao nosso consumidor. Mas agora estamos crescendo e com mais qualidade ainda”, disse.

Vale do Jequitinhonha e o artesanato de barro

Anísia e uma das suas bonecas ou filhas

Os homens saíram trabalhar nas lavouras de cana de açúcar, pois a seca acabou com a lavoura que lhes permitia alimentar a família. Mas as mulheres, que haviam aprendido em casa com as avós e mães, já faziam artesanato de barro. Até enxovais de noiva eram de barro: pratos, copos, panelas, boiões (para café ou leite) e bacias. Nunca um enfeite. Com a saída dos homens, as mulheres tiveram que negociar os produtos e numa feirinha, de uma cidadezinha um pouco maior. Ali, foram provocadas a criar também enfeites. Souberam que havia mercado para tal!

Começaram e não pararam mais, a ponto da região se confundir com as peças que lembram bonecas, famílias, procissões e tantos adornos que chegam a confundir se são reais ou figuras de barro. Anísia Lima de Souza, artesã, neta e filha de artesã, mostrou como fazer uma peça, como selecionar o barro, como definir as cores que preferem. E discorreu, ainda, sobre como esse destino turístico se formou.

Amanda Paim, Anísia e Juliam Rodrigues

Os participantes dessa mesa redonda tiveram apoio de dois técnicos do Sebrae: Julian Rodrigues, responsável pela microrregião Chapada de Minas Gerais, que veio mostrar com Anísia o trabalho de artesanato certificado, e da mediadora Amanda Paim, coordenadora de Turismo do Sebrae/RS.

Gramado virou um palco de muitas regiões

A renda Filó, de Alagoas

            O centro da cidade de Gramado figura como um palco para os produtores com terroir, uma amostra do que é produzido no Brasil. O Rio Grande do Sul está com suas regiões turísticas com destinos onde o produto é a atração principal, como a Região dos Vinhedos. O RS possui 102 indicações, reconhecidas pelo INPI no Brasil. Santa Catarina também trouxe vinhos especiais de Urussanga (o vinho de uvas Goethe), bananas e subprodutos de Corupá. O Paraná trouxe erva mate, da mesma forma que uma empresa do nordeste brasileiro apresentou erva mate com chás variados, inclusive coco e abacaxi.  

Paraná com São Matheus e Antonina

Ao todo, 27 indicações geográficas estão presentes no evento e foram homenageadas e receberam um troféu confeccionado pelo artesão de Gramado, Rogério Machado da Silva. A homenagem, feita na noite de abertura, reconhece o papel das indicações geográficas brasileiras na valorização dos territórios e na preservação do saber fazer. Estão presentes na Rua Coberta, com degustação de mais de 30 produtos especiais e únicos certificados com Indicação Geográfica e representantes dos seis biomas brasileiros – Amazônia, Caatinga, Cerrado, Mata Atlântica, Pampa e Pantanal.

Nesta sexta-feira, 19, na Sociedade Recreio Gramadense acontece a primeira rodada de negócios entre trade turístico e regiões com indicação geográfica, uma oportunidade para valorização e do trabalho peculiar de produtores rurais. Representando o Governo do Rio Grande do Sul, o secretário adjunto de Turismo do Estado, Luiz Fernando Rodrigues, destacou a importância de o governo fazer parte do evento. “Quando se fala em aromas e sabores, a sensação de cada produto, o turismo nos apresenta muitas possibilidades, o evento vem ao encontro daquilo que a secretaria busca, compreender para onde deve ir o segmento e cada região”, frisou.

O evento, realizado pela Rossi & Zorzanello tem a grande parceria nesta edição do Sebrae RS, que desenvolve o trabalho de incentivo e desenvolvimento aos pequenos empreendedores. “Nós nos propusemos a esse novo desafio, o de transformar Gramado em uma importante mostra de nosso Brasil de riquezas únicas, cuja diversidade gera produtos incríveis de norte a sul do país, que entregam valor e alta qualidade, com identidade e características especiais”, destacou Marta Rossi, fundadora e CEO da empresa.

Executivas de Turismo em campanha no combate ao abuso de crianças e adolescentes

O Rio Grande do Sul é o Estado anfitrião do evento que conta com patrocínio da Prefeitura de Gramado, apoio da Sicredi Pioneira, da Achoco e Fecomércio, apoio das entidades Famurs, AbavRS e AbavSC, Laghetto Hotéis é a rede hoteleira oficial e a Adyltelecon é a internet oficial do evento. Presentes ao evento, uma comitiva da Afeet Brasil divulgou a Campanha de proteção. e segurança no turismo, de crianças e adolescentes. É que dia 18 de maio é a data Nacional de Combate ao abuso de crianças e adolescentes. Mais informações sobre o Connection no site connectionexperience.com.br ou nas redes sociais @connection_experience.

Você pode gostar...