SOS RIO GRANDE DO SUL

Ministro Celso Sabino anuncia ações para Eduardo Leite e lideranças gaúchas visando a retomada econômica do Rio Grande do Sul, por meio do turismo

Autoria Roberto Castro/MTur

“Vamos fazer do turismo a atividade econômica que vai puxar as demais atividades para a reconstrução do Rio Grande do Sul”. Com essas palavras o ministro do Turismo, Celso Sabino, abriu a reunião por videoconferência realizada nesta quarta-feira (22/05/2024), com o governador Eduardo Leite e lideranças empresariais do setor de turismo, além de representantes da Bancada Federal do RS, na qual foram debatidas ações para a recuperação do Rio Grande do Sul, em vista a tragédia climática que ceifou a vida de quase 200 pessoas e atingiu mais de 3,5 milhões de pessoas.  Assumindo o compromisso público com o estado, o ministro do Turismo anunciou uma série de ações ligadas a ampliação de conectividade aérea, suporte financeiro aos empreendedores turísticos e a promoção do Rio Grande do Sul em grandes eventos internacionais.  “O gaúcho é um povo trabalhador, é um povo visionário. Também é um lugar que nós temos indicadores de pleno emprego por meio do turismo e eu tenho certeza que o estado vai estar apto para que a economia seja retomada e que nós possamos virar a página desse momento”, destacou o Sabino.

As chuvas iniciaram no dia 30 de maio e prosseguem até hoje (23 de maio), com enchentes que destruíram ou invadiram moradias, hotéis e prédios históricos e pontos turísticos como o Chalé da Praça XV, Museu de Artes do RS, Santander Cultural, toda a Praça da Alfândega, onde ocorre a tradicional Feira do Livro e ainda atingindo diversos bairros de Porto Alegre. O Mercado Público de Porto Alegre (fotos abaixo), que abriga bancas de artigos de consumo, tradicionais e restaurantes, entre esses os dois mais antigos da cidade, o Gambrinus e o Naval (ficam ao lado um dos outro), foi unundado e ficou debaixo dágua por mais de 20 dias.

                Entre as medidas já iniciadas pelo MTur para apoiar o setor do Rio Grande do Sul está a disponibilização de R$ 200 milhões do Fundo Geral de Turismo (Novo Fungetur), voltados à concessão de financiamentos com condições especiais a atividades turísticas prejudicadas. Do total, R$ 100 milhões já foram repassados, e o valor restante será aportado conforme o avanço das contratações. Além da infraestrutura turística, Sabino explicou que o Ministério trabalha na promoção do turismo da região, tanto nacional quanto internacionalmente. “Na FIT da Argentina, que é uma das maiores feiras do mercado turístico para os consumidores da América do Sul, o Brasil será homenageado e nós pretendemos, já que a Argentina é o principal emissor para o Brasil e o principal emissor de turistas estrangeiros para o Rio Grande do Sul, fazer uma ampla divulgação dos atrativos turísticos do estado durante a Feira”, disse Sabino.

                Outro espaço de visibilidade internacional será na FITUR, que acontecerá em janeiro de 2025, na cidade de Madri, na Espanha. “Estamos trabalhando para o Brasil ser o país homenageado. Se nós conseguirmos esse êxito, e eu tenho fé que nós vamos conseguir, também daremos um destaque especial ao Rio Grande do Sul”, completou Celso Sabino. O presidente da Embratur, Marcelo Freixo ressaltou a importância da atividade turística para a economia do local. “A gente vai precisar ter um plano de recuperação econômica a curto, médio e longo prazo, e o turismo é um instrumento decisivo para essa recuperação e o Governo Federal tem sido muito ativo nisso”, enfatizou.

                Parlamentares da bancada federal do estado agradeceram as medidas emergenciais implantadas pelos governos neste momento crítico vivido na região. “O Rio Grande do Sul está sofrendo muito com essa tragédia, tanto socialmente, como economicamente e esse apoio é importante! Podemos pensar, por exemplo, em trabalhar outras regiões turísticas do estado e que não tenham tido tanto impacto com as enchentes,” frisou o líder da bancada, o Deputado Federal, Dionilso Marcon, em nome dos 31 deputados e 3 senadores do estado. O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, enfatizou que serão necessários R$ 1 bilhão para  recuperar o setor de turismo. Nesse total estariam incluídos a recuperação de patrimônio histórico cultural, rodovias, transportes, perdas por parte de operadores de turismo em geral, que necessitam de mais recursos, além dos anunciados R$ 200 milhões, R$ 100 dos quais já aplicados via Fungetur. A preocupação dos parlamentares e do governador estão fundamentadas na gravidade dos fatos. O aeroporto Internacional Salgado Filho e a Rodoviária de Porto Alegre, ficaram inundados. Empresas jornalísticas, como é o caso do centenário jornal Correio do Povo, na rua Caldas Júnior, onde trabalhei primeiro 10 anos na Folha da Tarde e depois mais de 20 anos no Correio do Povo, ficou mais uma vez debaixo d água. A primeira vez foi em 1941. Abaixo foto do complexo do Mercado Público e prédio histórico da Prefeitura, imagem captada no dia 04 de maio. Nesta sexta-feira (24 de maio) o prédio do Mercado já foi reaberto, mas a limpeza será demorada, pois a chuva não deu tregua.

Foto de Giulian Serafim///(PMPA)

                Falando pelo trade turístico, o sócio-fundador da Agências de viagens CVC, Guilherme de Paulus, relatou o empenho do setor em prol da região. “Em todo o Brasil, quando um cliente quer comprar uma viagem, ele é direcionado para uma das lojas de atendimento online da empresa no Rio Grande do Sul. Para se ter uma ideia, ontem nós tivemos um movimento de mais de R$ 300 mil já nas lojas do estado. Estamos dando atividade e gerando emprego, isso é muito importante”, ressaltou.

CONECTIVIDADE AÉREA – A ampliação da conectividade aérea para o estado também teve destaque durante a reunião. Entre as ações debatidas está a ampliação de novos aeroportos, em especial o dos municípios de Caxias do Sul, Gramado e Canoas. Como medida emergencial o MTur e o Ministério de Portos e Aeroportos anunciaram uma malha aérea especial para suprir, provisoriamente, a necessidade do estado. No total, estão sendo ofertados 116 voos semanais, proporcionando um total de 17 mil assentos em aeronaves. Passagens aéreas para o Rio Grande do Sul podem ser remarcadas ou reembolsadas gratuitamente. Medida adotada pela ANAC se alinha com a campanha do MTur “Não Cancele, Reagende!”, que sugere a reprogramação de visitas ao estado para outras datas ao invés do cancelamento

Crédito: Matéria produzida com informações da Assessoria de comunicação e fotos Roberto Castro/MTur

Você pode gostar...

SSL Bravulink